Efeito anti-inflamatório do ômega 3

Inflamação é um mecanismo que ocorre naturalmente em nosso corpo com o intuito de reparar danos. No entanto, hábitos não saudáveis como uma dieta desequilibrada, sedentarismo, estresse, excesso de peso e sono desregulado podem criar um ambiente inflamatório no organismo, propiciando um quadro conhecido como inflamação crônica de baixo grau, que favorece o surgimento e a progressão de doenças crônicas. Portanto, quanto mais inflamados, mais suscetíveis estamos ao desenvolvimento de doenças. Para um processo inflamatório ocorrer, é necessária a produção de mediadores derivados de lipídeos conhecidos como eicosanoides. Eles são responsáveis por estimular ou minimizar o processo inflamatório. Os ácidos graxos poli-insaturados ômega 3 e ômega 6 são precursores desses mediadores, apresentando papéis importantes quando se trata de doenças ou quadros inflamatórios.

Os derivados lipídicos produzidos a partir de EPA e DHA (ômegas 3) têm ação anti-inflamatória, enquanto aqueles produzidos a partir do ácido araquidônico (ômega 6) contribuem para o aumento de inflamação. Os ácidos graxos ômega 3 e ômega 6 são metabolizados pelas mesmas enzimas, e a concentração dos mesmos nas células determina quais metabólitos serão produzidos. Como a dieta padrão ocidental apresenta quantidades muito maiores de ω6 do que ω3, os processos inflamatórios são favorecidos.

A inflamação pode então ser considerada um processo ativo, no qual a alimentação apresenta um importante papel para determinar seu desenvolvimento e intensidade. Dessa forma, tendo em vista a redução de processos inflamatórios e a manutenção de um organismo mais saudável é importante manter um consumo adequado de ômega 3, além de manter uma boa proporção deste para o ômega 6 da dieta.

 Conforme citado anteriormente, um dos principais efeitos dessa ação anti-inflamatória do ômega 3 é em doenças crônicas. Atualmente diversos estudos vêm sendo realizados e demonstrou-se que os ômegas 3 apresentam efeitos de imunomodulação por mudarem os perfis de eicosanoides, apresentando ação terapêutica em diversas doenças, como artrite reumatoide e doenças inflamatórias intestinais, por exemplo. Isso porque quanto melhor o controle da inflamação, menores são os sintomas e a progressão da doença.

[1] Rebecca Wall, R Paul Ross, Gerald F Fitzgerald, and Catherine Stanton. Fatty acids from fish: the anti-inflammatory potential of long-chain omega-3 fatty acids. (2010). International Life Sciences Institute.

[2] Calder PC. n–3 polyunsaturated fatty acids, inflammation, and inflammatory diseases. Am J Clin Nutr. 2006;83:1505– 1519

[3] Simopoulos AP. Omega-3 fatty,  acids in inflammation and autoimmune diseases. J Am Coll Nutr. 2002;21:495–50

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *