PRODUTOS VEGETAIS SÃO MAIS CAROS? - Veg Nutrition

PRODUTOS VEGETAIS SÃO MAIS CAROS?

O valor de uma dieta vegana muitas vezes é questionado e tido como muito elevado, dificultando a adesão de muitas pessoas. Normalmente esse valor é de fato mais elevado quando a alimentação conta com grande quantidade de produtos prontos de base vegetal, os quais, em comparação a produtos industrializados que contenham leite, ovos ou carnes, costumam ser mais caros. Por exemplo, enquanto um litro de “leite” de amêndoas custa entre R$10,00 e R$20,00, um litro de leite custa em média R$3,00.

Os valores encontrados são muitas vezes contraintuitivos, por exemplo, enquanto 1kg de arroz custa para o consumidor final R$4,00, o litro do extrato vegetal desse mesmo grão é mais caro que o litro de leite de vaca, que depende de diversos fatores para a criação do animal e extração do leite. Muitas vezes acredita-se que esse preço esteja relacionado com a produção em menor escala, o marketing e a popularidade crescente de produtos veganos. Entretanto, existe um fator crucial para essa diferença marcante em comparação aos produtos de origem animal: os subsídios concedidos à pecuária.

A pecuária apresenta uma significante importância econômica para o Brasil, por isso, desde a década de 60 o seu crescimento foi estimulado pelo Estado. Esse estímulo se dá de três formas principais: subsídios, anistias e renúncias fiscais. Ou seja, a partir de desembolsos, perdão de dívidas e perda de receitas planejadas (isenções, reduções de alíquotas, reduções de base de cálculo, créditos presumidos e manipulações da pauta fiscal), concedidas voluntariamente pelo Estado. Entre os anos de 2008 e 2017 o montante total concedido à indústria da foi da ordem de R$ 123 [± 52] bilhões, ou um valor médio anual de R$ 12,3 [± 5,2] bilhões (R$ de 2019).

Atualmente, os valores concedidos direta ou indiretamente representam até 10% da renda obtida pela indústria da carne. Além disso, na agricultura, os maiores subsídios são para a soja e o trigo, também envolvidos na criação de animais nacionalmente e no exterior. Essas práticas barateiam a produção e aumentam a competitividade no mercado.

A importância da tomada de consciência sobre esse assunto está além do valor final do produto, visto que o incentivo à pecuária afeta em questões sociais e ambientais. O controle dos incentivos fiscais impacta na expansão da pecuária sobre biomas como o Cerrado e a Amazônia; libera recursos para o ajuste fiscal, que está estrangulando pastas tão importantes quanto a Educação e a Ciência e Tecnologia; influencia na divisão e ocupação de terras.

Dessa forma, pode-se dizer que a comparação entre os preços de produtos de origem animal e produtos veganos é desleal. Além disso, vale ressaltar que alimentos vegetais e naturais não processados ainda são mais baratos e capazes de suprir as necessidades nutricionais de indivíduos que não consomem alimentos de origem animal. Mesmo com todos os subsídios concedidos à indústria da carne, alimentos como cereais e leguminosas (arroz e feijão, por exemplo) ainda são muito mais baratos. Comprar vegetais, frutas, sementes e castanhas em feiras, preferencialmente diretamente do produtor, também ajudar a reduzir o custo. Além disso, preparar as próprias refeições em vez de comer em restaurantes garante que sua alimentação fique muito mais acessível.

 

[1] Petterson Molina Vale, Ricardo Vale e Kennedy Meira.  Do pasto ao prato: subsídio e pegada ambiental da carne bovina. Qual é o valor do subsídio? Instituto Escolhas; 2020. 7 -39

[2] IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2019. Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1419

[3] BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, 2019. Portal de transparência. Disponível em: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/transparencia/consulta-operacoes-bndes/consulta-op-dir-ind-nao-aut

[4] CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento, 2019. Preços mensais da carne bovina. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/analises-do-mercado-agropecuario-e-extrativista/analises-do-mercado/historico-mensal-de-carne-bovina

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *